Tuesday, January 06, 2009

A Foto Fantástica


Recebi, do meu amigo Jacintho, esta foto inserida numa apresentação de várias fotografias com pequenas/grandes curiosidades...

Gosto de fotografia... aliás, por dom certamente divino sou amigo de um dos melhores fotógrafos de Portugal, o Benjamim...

A foto aqui publicada é diferente, aliás leva o termo diferença a um expoente que nunca antes havia alcançado... esta foto é, num superlativo hebraico aplicado com rigor: a mãe de todas as fotos (de família...).

Reenviei a apresentação aos meus amigos, e a todos pedi que me ajudassem a compreender todo o potencial interpretativo desta tão singular imagem...

O meu bom amigo FCS, solicito e de rara inteligência logo me ofereceu o seguinte comentário:
"É tão óbvio que nem parece teu.
A família Adams num estágio de coveiros na Moldávia num momento de descontracção do trabalho de enterrar os defuntos do dia anterior."

Mas nem toda a generosidade do mundo seria capaz de me oferecer numa frase só tudo o que nesta imagem há de... belo, pois que seja... belo, pois que atrai o olhar... belo, porque desperta o prazer a quem a olha... belo, porque absolutamente fantástica...

Queria partilhar com todas esta imensa emoção de descobrir mais um pormenor a cada vez que a revejo... mas são tantos... prefiro lançar o desafio a cada um dos que passam por aqui... que a contemplem (clicando nela podem vê-la ainda maior!!!!) e que deixem aqui a todos os demais o seu comentário...

Quem já conhecia esta foto?

Quem a admira?

O que nela se pode ver de especial?

8 comments:

Benjamim said...

Obrigado ZL
Nunca na vida descobria uma "família Adams" na foto até porque nunca tive a oportunidade de a conhecer :-)

Bruno Wilson said...

Esta foto faz parte do photobook que retrata a transformação pela qual esta família passou num programa da televisão Eslovaca que tem um formato semalhante ao nosso "Doutor, preciso de ajuda", mas que se chama "Doutor, Ai Jesus ai de mim olhe que eu preciso MESMO de ajuda". De referir que a transformação está ainda imcompleta pois falta realizar a lipoaspiração às coxas da irmã do meio que podemos ver na imagem ostentando uma bonita lingerie cor-de-rosa.

Graendel said...

Zé,

Não vou usar a minha única célula de pseudo-intelectual numa análise deprimente a esta coisa.
Acho que é apenas feia e que não devia ter saido sequer da mákina do fotografo, ou no máximo ter ficado no album da tal familia (que vendo bem nem familiares parecem!)

JLL

Bruno Cardoso said...

Olá.
Realmente... não conhecia essa foto e gostei imenso. Está fantástica!
Cumprimentos.

Gingerbread Girl said...

Esta foto está no mínimo caricata. =|

Assusta um pouco, confesso.
Parece uma família de serial killers or something. =\

Maria João said...

Primeiro olhei e senti-me atraída, depois com mais atenção, essa atenção que faz com que reparemos em detalhes, também a achei fantástica.
Não por me parecer a família " Adams", mas por me fazer reflectir nas semelhanças e nas diferenças dos personagens de qualquer família.
A quantidade e a diversidade de pormenores que contem, é a atracção...o resto é poder de análise.

M.Jorge Ventura said...

O que parece uma foto registo de pandegos vai ganhando de facto contornos simbólicos estranhos. Daquela estranheza que só a realidade objectivamente representada é antecamara. Na foto aquelas pessoas transfiguram-se. Tal como o diafragma da máquina que regista marca um limiar entre mundos assim o portão oarece separar dois territórios. O guardião de gravata diz-nos que a brincadeira é do lado de cá embora o único personagem verdadeiramente descontraido e à "vontade" como se estivesse fora da cena seja o que se encontra dentro em cima do portão. Embora o lado de lá do fundo se apresente mais irreal - a casa parece mais um pombal uma coisa assim de aves um pouco etérea - a irrealidade das pessoas é tanto maior quanto mais próxima se encontra da objectiva (i.e., de nós, do observador. Isto é subliminar e pertubador. Não se saber se o que essa personagem tem verdadeiramente na mão também. Pode ser uma vassoura mas ela remete-nos imediatamente para aquela personagem que com a sua foice vai limpando a paisagem das suas poeiras temporais. blá bla´. Obrigado pelo pormenor de nos chamar a atenção, Valeu bem a pena

M. Jorge ventura said...

Esqueci-me de dizer que gostei de visitar o seu blog. O nome é um pouco enigmático - Ciprestes, e ambiguo - Acerca (a cerca ou à cerca??). Peço desculpas pelos erros e a pressa no comentário anterior.Gracias