Friday, September 04, 2009

Presentida Tempestade


Poucas vezes na minha vida senti, como agora, com um tão elevado grau de certeza, que se adivinham tempos de mudança.

Sinto a vertigem da necessidade de deixar o presente e me largar num futuro incerto. Desagrada-me desconhecer se o para onde estou lançado é tempo de paz ou de tormenta.

Por um traço do que sou, num pessimismo prudente, julgo o que vem como sendo momento de crise... e preparo-me, demoradamente, para uma tragédia que parece consentir pressagiar-se.

Devo o que sou mais às desventuras que aos dias de Sol que vivi. Mas, estou longe de me sentir confortável com esta desditosa intuição de um difícil amanhã que sempre ganha ainda mais força por cada crepúsculo de dia que passa.

Nestas províncias do aquém-dor há já notícia de pequenas batalhas de uma guerra que, se, de facto, ainda não começou, já deixa as suas marcas...


(Obrigado ao Paulo por me puxar para a escrita... Cf. comentário ao post anterior)

6 comments:

Paulo said...

Todos os dias cresce a ansiedade, a incerteza, a desilusão, o desconforto, a comoção, a aflição, a impaciência, a perturbação... enfim, todos esses sentimentos que fazem dos dias que correm uma completa agitação que, como tu referes, poderá conduzir a uma grande tormenta, a uma tempestade.
Às vezes faz-se silêncio e lá vem aquela sensação de paz, mas que tão bem sabemos ser falsa, pois mais não é do que a calmaria antes da tempestade.
Tenho medo do futuro. Muito medo do que le me reserva...

telma said...

era tão bom que por vezes pudessemos passar a frente algumas partes como nos filmes.

ao tempo que não vinha aqui. soube-me bem :)

luis said...

Seja de novo bem vindo... que grande aus~encia. espero que se torne mais assíduo. Abraço

said...

"Confia ao Senhor o teu destino, e Ele te salvará"
Sl 36

francisco12º said...

Grande texto ;)
o futuro posso não o saber, mas faço de tudo para alcançar os meus objectivos, para ter um futuro melhor, com o minimo de oscilações.

Marcos Sobral said...

grande ze luis grande mestre....provavelmente o prof com quem mais aprendi, as tuas aulas eram, numa palavra, cativantes.
espero poder assistir, pelo menos, a mais umas !
grd abraço

Marcos