Thursday, August 31, 2006

Heraclito - Acerca da Natureza (trad.)

A tradução dos fragmentos de Heraclito apresentada abaixo foi efectuada a partir do texto grego clássico (ed. Seghers).

Esta disponibilização on-line é tão-somente para partilhar com quem se possa interessar por estas coisas... ter isto aqui fechado no computador não faz grande sentido... comecei, há muitos anos, por pensar que editaria uma edição crítica (tradução e notas)... mas nunca passei da tradução.

Está registada
- Dep. Legal Nº 72115/93 - Mas... façam o que entenderem com ela! Se me quiserem citar o nome é José Luís Nunes Martins. Sem mais, ei-la!


HERACLITO

"ACERCA DA NATUREZA"

1
Quanto a este Logos, que é sempre, os homens comportam-se como quem não compreende, tanto antes como depois de o ter ouvido. Com efeito, tudo vem de acordo com o Logos, e eles, parecem sem experiência nas experiências com palavras e obras, iguais às que levo a cabo, distinguindo cada coisa conforme a sua natureza, e explicando o que ela é. Aos outros homens, porém, fica-lhes encoberto tanto o que fazem acordados, como se lhes volta a encobrir o que fazem durante o sono.

2
Faz-se necessário seguir o que é con-junto. O Logos é con-junto, enquanto a massa vive como se cada uma das multiplicidades tivesse uma inteligência própria.

3
(O Sol) da largura de um pé humano.

4
Se a felicidade estivesse nos prazeres do corpo, deveríamos chamar felizes aos bois quando encontrassem o que comer.

5
É em vão que se purificam, quando se borrifam com sangue novo, como alguém que tivesse pisado lama, quisesse lavar-se com ela. E fazem orações às imagens como se alguém pudesse falar com paredes. Eles não sabem nada da verdadeira natureza dos deuses e dos heróis.

6
Todos os dias há um Sol novo.

7
Se todas as coisas se tornassem fumo, seria o nosso nariz que as distinguiria.

8
O contrário em tensão é convergente; as divergências dos contrários: a mais bela harmonia, tudo nasce da luta.

9
Os asnos preferem palha a ouro.

10
Conjunções: completo e incompleto, convergente e divergente, concórdia e discórdia, enfim, de todas as coisas uma e de uma, todas as coisas.

11
Tudo o que rasteja, partilha da terra.

12
Para quem entra nos mesmos rios, afluem sempre outras águas.

13
Os porcos têm mais prazer na lama.

14
(Para quem profetiza Heraclito?) Para os errantes nocturnos, os mágicos, os bacantes, as mênades, os mistos. (...) É sem piedade que se iniciam nos mistérios célebres entre os homens.

15
Não fosse para Dionísio a procissão e o hino que entoam com as vergonhas sagradas, praticariam a coisa mais monstruosa. Mas Hades e Dionísio são o mesmo, para quem deliram e festejam.

16
Como alguém poderia manter-se encoberto face ao que nunca se deita?

17
A maior parte dos homens não reflecte aquilo que se lhes apresenta, e mesmo uma vez instruídos, eles não compreendem, vivem na aparência.

18
Se não esperamos o inesperado, não o encontraremos, porquanto ele é inescrutável e difícil de abranger.

19
Não sabendo ouvir não sabem falar.

20
Nascidos, consentem viver e sofrer a morte, ou repousar, e deixam filhos, que sofrerão a morte por seu turno.

21
Morte, tudo o que vemos acordados, sono, tudo o que vemos adormecidos.

22
Os que procuram ouro, cavam muita terra, e encontram pouco ouro.

23
Não conheceriam o nome da Justiça, se não houvesse injustiças.

24
Os homens e os deuses honram os que são mortos nos combates.

25
Às maiores mortes prendem-se os maiores destinos.

26
O homem acende uma luz na noite, quando não vê está morto para si. Vivendo, toca o morto, quando a visão extinta dorme. Acordado, toca o ser que dorme.

27
As coisas que se não esperam nem imaginam, esperam o homem após a sua morte.

28
O mais conhecedor decide das coisas reconhecidas para conservar, mas a Justiça saberá apossar-se dos artesãos e testemunhas de mentiras.

29
Há uma coisa que os melhores preferem: a glória eterna dos mortais; a multidão está saturada como o gado.

30
A ordem do mundo, a mesma para todos os seres, não a criou nenhum dos deuses nem nenhum dos homens, mas sempre foi, é e sempre será um fogo sempre vivo que se acende com medida e com medida se extingue.

31
Metamorfoses do fogo: primeiro o mar, do mar a metade terra, e a outra metade vento ardente. O mar estica-se e encontra a sua medida de acordo com o mesmo Logos que era primeiro.

32
Um único ser, o único sábio, refuta e aceita o nome de Zeus.

33
Lei, é a vontade de seguir uma só coisa.

34
Sem compreensão: ouvindo, parecem surdos. A eles se aplica o provérbio: Presentes, estão ausentes.

35
Os filósofos conhecem muitas coisas, e bem.

36
Para as almas, a morte é transformarem-se em água, para a água a morte é transformar-se em terra: pois a água tem origem na terra, e a alma na água.

37
Os porcos lavam-se na lama, as aves de baixo curso no pó ou na cinza.

38
(Heraclito e Demócrito testemunham que:) Tales foi o primeiro astrónomo.


39
Em Priene nasceu Bias, filho de Teutame, o seu Logos ultrapassou o de todos os outros.

40
Muitos saberes não ensinam sabedoria, senão teriam ensinado a Hesíodo e Pitágoras, a Xenófanes e Hecateu.

41
A sabedoria consiste em compreender uma só coisa: que o pensamento governa tudo através de tudo.

42
Homero merece ser expulso dos concursos e bastonado, e Arquíloco também.

43
Há maior necessidade de extinguir a desmesura do que um incêndio.

44
O povo deve lutar pela lei, como pelas muralhas.

45
Os limites da alma, não os encontrarás, nem que caminhes por todos os caminhos, tão profundo é o Logos que abriga.

46
E chamava a presunção de mal sagrado, (e dizia) que a visão induz ao erro.

47
Sobre as grandes coisas, não façamos conjecturas ao acaso.

48
O arco tem por nome a vida, e por obra a morte.

49
Um só homem vale por dez mil, se for o melhor.

49a
Entramos e não entramos no mesmo rio, somos e não somos.

50
Ouvindo não a mim mas ao Logos, é sábio concordar que tudo é um.

51
Não compreendem como é que o oposto a si mesmo é ao mesmo tempo harmonioso consigo próprio; acordo de tensões inversas, como no arco e na lira.

52
O tempo é uma criança que joga o jogo das pedras: vigência da criança.

53
O combate é pai de todas as coisas, de todas as coisas é senhor, de uns fez deuses e de outros fez homens, de uns fez escravos, de outros fez livres.

54
A harmonia invisível é mais forte do que a visível.

55
O que podemos ver, entender e conhecer, é o que eu prefiro.

56
No esforço para conhecer o visível, os homens são ludibriados como Homero, que foi o mais sábio de todos os gregos. Com efeito, é a ele que ludibriaram os garotos que matavam piolhos e diziam: "Tudo o que vimos e agarrámos, deixámos, tudo o que não vimos nem agarrámos, trouxemos connosco.".

57
O mestre de quase todos, Hesíodo, embora estejam convencidos de que ele sabe tudo, ele não conhece nem a noite nem o dia, nem que tudo é um.

58
Cortando, queimando e atormentando de todos os modos, os médicos acusam indevidamente os doentes de não pagarem, pois o que operam nos doentes é o sucesso e a doença.

59
O caminho a direito ou com curvas, é um e o mesmo caminho.

60
O caminho que sobe e o que desce são um e o mesmo.

61
A água do mar é a mais pura e a mais impura. Para os peixes, potável e vivificante, para os homens, impotável e mortal.

62
Os imortais são mortais e os mortais imortais. Uns vivem da morte dos outros, os outros morrem da vida dos primeiros.

63
Insurgir-se contra os seres e assim fazer-se pastor dos vivos da vigília e dos mortos.

64
O raio governa o universo.

65
Indigência e saciedade.

66
O fogo virá em cima de tudo o que existe para o julgar e tomar consigo.

67
Deus é dia e noite, inverno e verão, guerra e paz, saciedade e fome. Ele transforma-se como o fogo que quando é mistura de aromas, recebe nomes diferentes conforme o gosto de cada um.

67a
Como a aranha no centro da teia logo sente quando uma mosca rompe o fio, e assim acorre rapidamente para lá como que temendo pela integridade do fio, assim também, a alma humana, ferida alguma parte do corpo, se dirige rápido para lá como se não suportasse a lesão do corpo, ao qual está unida firme e harmoniosamente.

68
E é por isso que Heraclito chamava "remédios" a tais coisas (a saber: alguns espectáculos e audições indecentes), por trazerem remédios à angústia e libertarem a alma do que traz consigo no crescimento.

69
Distingo dois tipos de sacrifícios: uns, os de homens inteiramente purificados, tais que raramente se dão a um indivíduo singular, ou a um pequeno grupo de homens; e os sacrifícios materiais.

70
As ideias humanas são jogos de crianças.

71
(Ter também presente) aquele para quem está esquecido aonde conduz o caminho.

72
Do Logos com quem sempre lidam, que governa todas as coisas, eles separam-se, e por isso as coisas que encontram lhes parecem estranhas.

73
Não é para falar a agir dormindo, porque a dormir crê-se que se fala e se age.

74
Não é para ser como crianças sobre a autoridade dos progenitores, sobre a tradição, sobre termos simples, como nos ocorre.

75
Os que dormem são operários das obras que acontecem no universo.

76
A morte da terra é tornar-se água, a morte da água é tornar-se ar e a do ar tornar-se fogo e inversamente.

77
Para as almas é prazer ou morte tornarem-se húmidas. Prazer é para elas cair na vida. A nossa vida nasce da sua morte e a sua vida nasce da nossa morte.

78
A morada do homem não abriga conhecimento, a divina sim.

79
A partir do divino, o homem, como a partir do homem a criança.

80
O combate é universal, a justiça é uma luta, e que todas as coisas nascem segundo a luta e a necessidade.

81
...fonte de mentira.

82
O mais belo macaco é feio, comparado à espécie humana.

83
O mais sábio dos homens comparado com Deus, parecerá um macaco, quanto à sabedoria, à beleza e a tudo o resto.

84a
O fogo repousa, transformando-se.

84b
É penoso castigar e servir os mesmos.

85
É duro lutar contra o coração, pois paga-se com a alma.

86
A maior parte das coisas divinas fogem ao conhecimento por causa da incredulidade.
87
Indolente, o homem que se deixa espantar pelo Logos em tudo.

88
O mesmo é vivo e morto, vivendo e morrendo, a vigília e o sono, o novo e o velho: pois estes alterando-se são aqueles e aqueles alterando-se são estes.

89
Acordados, têm um só mundo que lhes é comum, mas durante o sono cada um retorna ao seu próprio mundo.

90
Pelo fogo tudo se troca e por tudo, o fogo; como pelo ouro, as mercadorias e pelas mercadorias o ouro.

91
Não nos podemos banhar duas vezes no mesmo rio.

92
A Sibila, com voz delirante pronuncia palavras graves e sem disfarce, através de milhares de anos, graças ao deus que a anima.

93
O mestre do oráculo de Delfos não diz nem esconde nada, apenas indica.

94
O Sol não ultrapassará os seus limites; se o fizer, as Erineas, executoras da Justiça, saberão descobri-lo.

95
É melhor esconder a ignorância do que a desvelar em público.

96
Mais do que o excremento, deve-se deitar fora as cadáveres.

97
Os cães ladram a todos os que desconhecem.

98
As almas farejam no Hades.

99
Se não existisse Sol haveria noite por todos os outros astros.

100
O Sol, mestre e guardião das revoluções periódicas, vigia-as, limita-as, distribui-as, suscita e manifesta as metamorfoses e as estações que tudo trazem. Colabora não nas coisas vis e pequenas, mas nas maiores e nas mais essenciais, associado ao guia e Deus principal.

101
A mim mesmo me procurei.

101a
Os olhos são melhores testemunhas do que os ouvidos.

102
Para Deus é tudo belo, bom e recto; os homens é que tomam umas coisas por injustas e outras por justas.

103
Na circunferência, o começo e o fim coincidem.

104
Mas que espírito é o deles, que razão? Deixam-se levar pelos cantores de rua e ensinar pela multidão, não vêem que a maioria é má, e poucos são os homens bons.

105
Homero é um astrónomo.

106
Qualquer dia é igual a qualquer outro dia. (A natureza de todos os dias é una.)

107
Más testemunhas são para os homens os olhos e os ouvidos, se tiverem almas bárbaras.

108
De quantos discursos ouvi, nenhum chega ao ponto de saber que a sabedoria está separada de tudo.

109=95

110
Não é melhor para os homens que lhes aconteça tudo o que eles querem.

111
A doença torna a saúde agradável e boa, como a fome a saciedade, e a fadiga o repouso.

112
Pensar justamente (ser sensato) é a maior virtude, ser sábio é dizer a verdade e proceder de acordo com a natureza.

113
O pensamento é comum a todos. (Reúne tudo).

114
Para falar com inteligência é necessário concentrar-se no que é comum a tudo, como a cidade na lei, e com a maior concentração ainda. Porque todas as leis dos homens alimentam-se de uma lei una, a divina; ela impera o quanto se dispõe, basta e excede a todas.

115
A alma tem um Logos que se multiplica a si mesmo.

116
É dado a todos os homens conhecerem-se a si mesmos e saberem pensar.

117
Um homem, quando embriagado, deixa-se conduzir por uma criança inexperiente, cambaleando, sem saber para onde vai, com a sua alma húmida.


118
Uma alma seca é mais sábia e melhor.

119
O costume (hábito) é para o homem um deus.

120
Os limites da aurora e do crepúsculo são a Ursa e, frente à Ursa, o limite do sereno Zeus.

121
É justo que todos os Efésios adultos sejam mortos e os menores abandonem a cidade, eles que baniram Hermodoro, seu melhor homem, dizendo: "Nenhum de nós será o melhor, mas se alguém o for, que o seja então alhures e entre outros.".

122
Ambiguidade = Aproximação.

123
A natureza gosta de se esconder. (Surgimento já tende ao encobrimento)

124
O cosmos das coisas lançadas ao acaso é o arranjo mais belo.

125
A bebida desintegra-se se não a agitarmos.

125a
Que a riqueza não nos venha a faltar, Efésios, afim de que a vossa miséria se desvele toda.

126
O frio aquece-se, o quente esfria-se, o húmido seca e o seco humidifica-se.






5 comments:

Patrícia said...

"6
Todos os dias há um Sol novo."

Foi o que eu aprendi*

patricia said...

"123
a natureza gosta de se esconder."

o meu preferido...

Francisco said...

19
Não sabendo ouvir não sabem falar.

Sempre verdade!
Obrigado por partilhar este trabalho.

Elix Fhian said...

Olá. Gostaria de sua permissão para publica-la em meu blog para tornar acessível as pessoas que procuram por essa obra.

JLnm said...

como refiro na introdução do texto:
"Está registada - Dep. Legal Nº 72115/93 - Mas... façam o que entenderem com ela! Se me quiserem citar o nome é José Luís Nunes Martins."

Obrigado, Elix Fhian.

tem toda a minha permissão.